Arquivo mensal: novembro 2017

BEATLES DIA A DIA.

18 de novembro de 1974

Lançamento do álbum “Goodnight Vienna” de Ringo.

Ringo 8 - Ringo Going HomeRingo 7 - Ringo Going HomeRingo 6 - Ringo Going HomeRingo 5 - Ringo Going Home

Fonte: The Beatles Diary.

Por Marina Sanches – @sancmarina.

Anúncios

BEATLES DIA A DIA.

18 de novembro de 1973

“Photograph” de Ringo (composta em parceria com George) alcança o 1º lugar nos EUA.

Ringo 12 Ringo 40 Ringo 51RINGO 1992 1

 

Fonte: The Beatles Diary.

Por Marina Sanches – @sancmarina.

Extra Texture (Read All About It) George Harrison

É o sexto álbum de estúdio de George Harrison , lançado em setembro de 1975. Foi o último álbum de George sob seu contrato com a Apple Records e a EMI e o último álbum de estúdio emitido pela Apple. O lançamento ocorreu nove meses após a turbulenta viagem norte-americana de 1974 com Ravi Shankar e o mal recebido álbum Dark Horse . O humor melancólico da gravação reflete o estado de depressão de George na crítica gerada por esses projetos.

Entre os lançamentos de pós- Beatles em George , Extra Texture é o único álbum no qual suas letras são desprovidas de qualquer mensagem espiritual óbvia. Unicamente, também, foi gravado principalmente na América e não na Inglaterra, enquanto George estava trabalhando em Los Angeles em seu papel como chefe da Dark Horse Records . Gary Wright, David Foster, Jim Keltner, Jesse Ed Davis, Leon Russell , Tom Scott , Billy Preston e Jim Horn estavam entre os muitos músicos contribuintes. Os arranjos do teclado incorporam elementos da música soule a influência de Smokey Robinson, sinalizando uma nova saída do rock e do rock folk-rock do popular trabalho dos primeiros anos de 1970 de George. Contrastando com o conteúdo musical, o design artístico do álbum transmite um humor otimista e inclui uma capa inusitada cortada com uma superfície texturizada.

Apesar de receber uma resposta desfavorável da maioria dos críticos de música, a Extra Texture foi certificada de ouro pela Recording Industry Association of America dentro de dois meses do lançamento. Produziu um single de sucesso no Motown – inspirou ” You “, originalmente gravado em Londres em 1971 com o produtor co-produtor Phil Spector . O álbum também inclui “This Guitar (Can not Keep to Crying)”, que foi uma sequela da composição de George em 1968, “While My Guitar Gently Weeps” e uma refutação para seus detratores. O álbum foi remasterizado e reiniciado em setembro de 2014, como parte do conjunto de caixas George da Apple Years 1968-75.

Por Marina Sanches – @sancmarina

Fonte: S.S.

NOTICIAS BEATLES.

FILMAGENS INÉDITAS DOS BEATLES NA RODAGEM DE “HELP!” SERÃO LEILOADAS.

Filmagens inéditas dos Beatles gravadas durante a rodagem do filme “Help!” foram reveladas mais de 50 anos depois e serão leiloadas em 20 de novembro pela casa Omega Auctions, na cidade inglesa de Warrington.

O grupo britânico foi filmado pelo ator Leo Mckern durante a estadia nos Alpes austríacos em 1965 por causa do filme, cuja trilha sonora se transformou no quinto álbum do quarteto, segundo informaram os organizadores do leilão.

McKern era um fotógrafo “amador” que tirou várias fotos ao longo da rodagem, na qual interpretava Clang, o líder de uma organização de culto cujo objetivo era recuperar o anel de Ringo Starr para realizar um sacrifício.

Com um rolo de 8 milímetros, o australiano registrou 15 minutos de imagens dos Beatles e outros membros do elenco em março de 1965.

Entre elas, o quarteto de Liverpool aparece sendo transportado por motos de neve para os ensaios, junto ao dublê de ação que substituiu Ringo Starr em uma sequência de risco.

George Harrison e John Lennon jogando curling e tocando instrumentos também são alguns dos momentos capturados pela câmera de McKern.

O filme é acompanhado por fotos da filha de 10 anos de McKern, onde aparece descendo em trenó, tomando um teleférico e brincando com sua irmãzinha.

O filme “Help!” é uma comédia que estreou em 1965 e narra as peripécias da banda ao redor do mundo para escapar de uma seita hindu, que quer sacrificar Ringo Starr por possuir um anel sagrado, parte de um ritual de sacrifício, e que recebeu de uma jovem fã dos Beatles perante de iniciar o seu ritual.

Fonte: Cinese – Via e-mail.

Por Marina Sanches – @sancmarina.

NOTICIAS BEATLES – PAUL McCARTNEY LEMBRANÇAS.

Paul McCartney encerra 1º show no Recife despedindo-se em português.

Foi mais do que a noite desejada pelos milhares de fãs que rumaram para o estádio do Arruda, neste sábado (21), no Recife. Gente vinda de todos os cantos do país, para conferir de perto mais uma performance de Paul McCartney, apresentando-se pela primeira vez na região Nordeste.

 Com a gentileza que um bom sir deve ter, o eterno Beatle saudou o público brasileiro em português. “Oi, Recife. Boa noite, pernambucanos. Esta noite eu vou tentar falar um pouquinho de português, mas vou falar mais inglês”, dizendo o que todos os presentes ali queriam ouvir: ele cantaria, e muito, pelas próximas duas horas e meia.

 O show começou com “Magical Mystery Tour”, “Junior’s Farm” e “All My Loving”. Simpático, ele dançou, gesticulou, acenou e agradou muito os fãs. O público do Recife foi o primeiro, entre os brasileiros, a ouvir “Night before” ao vivo, segundo o própiro Paul. Os românticos também foram contemplados. Para a atual esposa, ele cantou “My Valentine”, canção do disco novo composta para ela. Na sequência, foi a vez de lembrar Linda McCartney, inspiração de “Maybe I’m amazed”.

 Os telões da lateral do palco acabaram se tornando um personagem à parte. Quando a banda executou “Blackbird”, uma lua imensa tomou conta, fazendo ainda mais bonita a noite do Recife, verdadeiramente inesquecível, para quem estava no Arruda.

 Extremamente simpático, Paul fazia a alegria dos fãs a cada intervalo de músicas. Em um período de 20 minutos, ele perguntou “Tá tudo ótimo?” três vezes. O baterista Abe Laboriel Jr. também agradou em cheio, com mímicas, dancinhas durante “Dance Tonight” e mugangas ao longo do show, transmitidas no telão, que levaram o Arruda às gargalhadas.

 Sozinho no palco, ao violão, Paul McCartney dedicou “Here Today” para John Lennon e, na hora de “Something”, imagens de George Harrison surgiram nos telões. A introdução de “Yellow Submarine” também foi cantada por ele e Paul revelou, ainda, que tocava um instrumento havaiano ganho de presente de George.

Ao fim do show, Paul saiu do palco para se preparar para o bis e a plateia manteve o coro, entoando o “na-na-na” de “Hey Jude” no escuro, até que ele voltasse, em mais um momento memorável. “Lady Madonna” foi a primeira e, na sequência vieram “Day Tripper” e “Get Back” – aliás, entre essas duas canções, um grupo de mulheres conseguiu subir no palco, até agora ninguém sabe como. Entre abraços e pedidos de autógrafos, elas tiveram os 15 minutos de fama mais emocionantes possíveis.

De volta para o segundo bis, Paul carregava uma bandeira de Pernambuco, elevando o orgulho do público ao nível mais alto. Depois de “Yesterday” e “Helter skelter”, quando tocava “Golden slumbers” ao piano, Paul atacou novamente, em português: “É hora de partir”. A plateia reclamou, disse que não, ele retrucou, dizendo que sim. E encerrou, ainda em português. “Mas nós temos que partir. Não vamos dizer tchau, vamos dizer até a próxima”, despedindo-se do público sob uma chuva de papel picado.

 

Fonte:  G1 – Via e-mail.

Por Marina Sanches – @sancmarina

BEATLES DIA A DIA.

11 de novembro de 1977

Paul e Wings lançam o compacto “Mull of Kintyre” / “Girl’s School”. Este single quebraria o recorde de single mais vendido na Inglaterra, que antes pertencia à “She Loves You”.

Mull of KintyrePaul 256 - Mull of Kintyre Paul 258 - Mull of Kintyre Paul 264 - Mull Of Kintyre - 1977

paul-436-1979Paul 749

?????

 

 

 

Fonte: The Beatles Diary.

Por Marina Sanches – @sancmarina.