Arquivo mensal: fevereiro 2019

BEATLES DIA A DIA

19 de fevereiro de 1965


Gravação de “You’re Going To Lose That Girl” (takes 1-3). Lançamento do álbum “A Hard Day´s Night” em versão orquestrada por George Martin.

 

Fonte: The Beatles Diary.
Por Marina Sanches – @sancmarina.

NOTICIAS BEATLES – PAUL McCARTNEY

Por que John Lennon não gostava da música Let It Be, dos Beatles 

 
A música ‘Let It Be’ se tornou, quase que instantaneamente, um dos grandes clássicos dos Beatles. A faixa dá título ao último álbum da banda, lançado em 1970, pouco anos de sua separação ter sido anunciada naquele mesmo ano. 

 
Apesar de ter autoria creditada a John Lennon e Paul McCartney, a concepção da música é praticamente toda deste último. Aliás, é importante lembrar que a parceria Lennon/McCartney, às vezes, ficava só no papel, já que os músicos compuseram diversas músicas sozinhos. 
 
A inspiração de Paul para ‘Let It Be’ era o próprio momento turbulento pelo qual os Beatles viviam no fim da década de 1960. A banda estava na iminência de se separar, mas Paul acreditava ser o único integrante disposto a trabalhar para que todos permanecessem juntos. Foi aí que sua mãe, Mary, que faleceu em 1956, apareceu em um sonho de Macca com o recado: “deixa rolar” (“let it be”, em tradução grosseira para o português). 
 
 O problema é que, apesar de ter concordado em gravar ‘Let It Be’, John Lennon não era grande fã da música. Em entrevista à revista “Playboy”, transcrita no livro “All We Are Saying” (lançado no Brasil como “A Última Entrevista do Casal John Lennon e Yoko Ono”), escrito por David Sheff, Lennon fez críticas à música em meio a perguntas feitas por um entrevistador insistente. 
 
“Isso é o Paul. O que você pode dizer? Nada a ver com os Beatles. Poderia ter sido gravada pelo Wings. Não sei no que ele estava pensando quando fez ‘Let It Be’. Talvez tenha ouvido uma música gospel. Não, acho que foi inspirada por ‘Bridge Over Troubled Water’ (Simon & Garfunkel). Essa é a minha sensação, embora eu não tenha nada além para dizer. Sei que ele queria fazer uma ‘Bridge Over Troubled Water'”, afirmou Lennon, que, embora tenha sido bastante sincero, não parecia ter a intenção de atacar o colega. 
 
– A ocasião em que Ringo Starr saiu dos Beatles 
 

Apesar da opinião crítica de John Lennon, ‘Let It Be’ se tornou o último single dos Beatles antes da separação ter sido anunciada. A faixa emplacou no topo das paradas de Estados Unidos, Austrália, Canadá, Bélgica, Suécia e Noruega, entre outros países, além de chegar ao 2° lugar no Reino Unido e Alemanha. Foi a principal música de trabalho do álbum, que leva o título da canção. O disco também fez sucesso: chegou ao primeiro lugar dos charts de Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e Austrália, entre outros. 

Fonte: Igor Miranda – Via e-mail. 

Por Marina Sanches – @sancmarina. 

NOTICIAS BEATLES.

Yesterday, e se os Beatles nunca tivessem existido? 

Realizado por Danny Boyle e escrito por Jack Barth e Richard Curtis, “Yesterday” dá palco a Himesh Patel e a Lily James para responderem à pergunta “E se os Beatles nunca tivessem existido?” O filme chega ao grande ecrã ainda este verão, dia 28 de junho. 

Numa pequena cidade no litoral de Inglaterra, Jack Malik (protagonizado por Himesh Patel) vê-se a desistir dos seus sonhos de fama, apesar do apoio da sua melhor amiga de infância, Ellie (protagonizada por Lily James de Mamma Mia! Here We Go Again). Mas tudo muda depois de um acidente de autocarro durante um misterioso apagão que percorreu o mundo inteiro. 

Jack, além de acordar sem os dois dentes da frente, acorda num mundo em que afinal os Beatles nunca existiram. Jack é a única pessoa que se lembra da músicas da mais famosa banda de rock britânica e rapidamente passa de cantor frustrado a estrela mundial. O segredo? As canções de John LennonPaul McCartneyRingo Star, e George Harrison. 

Yesterday” é o novo filme de Danny Boyle, o realizador britânico, vencedor de um Óscar, um BAFTA e um Globo de Ouro com o filme “Quem Quer Ser Bilionário?”e outros sucessos de bilheteira como Trainspotting e “127 horas”. 

Fonte: Dn.pt – Via E-mail 

Por Marina Sanches – @sancmarina 

“Beware My Love” – Paul McCartney

Canção de rock creditada a Paul e Linda McCartney, lançado pela primeira em 1976 no álbum Wings at the Speed of Sound. Foi usado como o lado B do single que incluía ” Let ‘Em In “. Uma versão ao vivo gravada em 7 de junho de 1976, em Denver, Colorado, foi incluída no álbum Wings Over America dos Wings e outra versão ao vivo de três dias depois, em Seattle, Washington, foi mostrada no filme de concertos Rockshow. Um trecho da apresentação do Rockshow também foi incluído no documentário Wings Over the World.
Como um número de canções de sucesso de Paul, “Beware My Love” é feito de vários elementos díspares. A música começa com uma breve melodia harmônica seguida por uma figura repetida de violão . (A versão do álbum da música tem a música anterior, ” She’s My Baby “, desaparecendo na introdução do harmônio; a versão single de “Beware” desaparece quando a parte do harmônio se desvanece no riff de violão.) Linda McCartney canta os movimentos intro e outro, com sua voz multi-tracked, efetivamente cantando em nome de Paul McCartney – que canta o vocal principal na música principal. Ao longo da música, o canto de Paul, assim como a música, se intensifica. Nos versos principais, o cantor avisa a mulher que ele ama ter cuidado, porque ele não acredita que o outro homem que ela está vendo é certo para ela. Nas pontes, ele diz à mulher que, embora ele deva sair agora, “deixarei minha mensagem na minha canção”. (Autor Robert Rodriguez acha esta linha irônica, já que ele acredita que a música aparentemente não tem mensagem. Os autores Chip Madinger e Mark Easter afirmam que os versos e refrão não parecem ter muito a ver com um ao outro.)

“Beware My Love” é uma música rock mid-tempo que John Blaney comparou ao ” Rock Show ” e ” Soily ” de Wings e ao autor Tim Riley comparado ao ” Helter Skelter ” dos The Beatles. Está na chave de Ré menor, embora as seções de harmônio e violão do prelúdio estejam em Dó maior e A maior, respectivamente. A melodia das pontes é baseada em um tetracorde descendente tocado no baixo. Rodriguez particularmente elogia o baixo de Paul McCartney, Joe English e os backing de Linda McCartney e Denny Laine. A música foi gravada de uma maneira que reproduziu uma gravação ao vivo, com todos os músicos gravando juntos. Paul afirmou que ele estava procurando alcançar “excitação no backing vocal; você pode ouvir que estamos todos lá”.
“Beware My Love” foi elogiado por ser a única verdadeira canção de rock de Wings na Speed ​​of Sound, um álbum que contém principalmente baladas e canções influenciadas pela disco. Blaney descreveu a canção como sendo para “dissipar as acusações de que Wings estava se tornando um grupo de softies amantes de disco”. Ao rever o álbum, o crítico do Allmusic, Stephen Thomas Erlewine, chamou “Beware My Love”, “a melhor canção escrita. O crítico de música rock Robert Christgau afirmou que no álbum, Paul está “em plena força apenas no comovente ‘Beware My Love’. Nick DeRiso, crítico do Ultimate Classic Rock, achou que era a melhor música do álbum, elogiando sua “complexidade extraordinariamente estratificada”. Doug Pringle, do The Montreal Gazette, chamou a canção de “o único sucesso absoluto no álbum”, observando que “ela se desenvolve de um suave começo acústico para se tornar a única música verdadeiramente elétrica do álbum.” Frank Rose do The Village Voice chamou essa música e a contribuição de Denny Laine para o álbum, “Time to Hide”, ótimo, o tipo de produção que Paul gosta de mostrar quando sabe que tem um roqueiro de verdade. Crítico da Rolling Stone, Dave Marsh também elogiou “Beware My Love” e “Time to Hide”, bem como “Let ‘Em In” como exemplos de sucesso do estilo rock de Paul McCartney. Rodriguez considerou “Beware My Love” como a única música de Wings no Speed ​​of Sound a ser tão boa quanto as melhores músicas dos dois álbuns anteriores de Wings, Band on the Run e Venus and Mars. A revista CD Review descreveu “Beware My Love” como “um roqueiro de fogo”. Os autores do Beatle Roy Carr e Tony Tyler usaram “Beware My Love” como um exemplo de Wings at the Speed ​​of Sound sendo forte e melódica.

Rodriguez foi ainda mais efusivo em seu elogio à versão ao vivo da música no Wings Over America, que é um minuto e meio mais curta que a versão de estúdio, elogiando a guitarra de Jimmy McCulloch, o piano de Laine e os tambores ingleses. Larry Rohter, do The Washington Post, descreveu a performance em Wings Over America como “divertida” e “excitante”. Ben Fong-Torres descreveu a performance ao vivo de Paul como “voltar atrás para algumas dessas inspirações de Little Richard “. Jon Marlowe de Miami News descreveu o desempenho de “Beware My Love” no Rockshow como “rollicking” e um dos dois momentos no filme que parece estar em um show de rock.

De acordo com DeRiso, tão boa quanto a versão Wings at the Speed ​​of Sound, uma versão inédita que Paul gravou com o baterista do Led Zeppelin, John Bonham, foi ainda melhor.

 

Por Marina Sanches – @sancmarina
Fonte: S.S.

“CURIOSIDADES SOBRE PAUL McCARTNEY – 07”.

 

21 – “Yesterday” – É a música mais regravada de todos os tempos, com mais de 2.200 versões. É o caso mais famoso de música creditada à dupla Lennon/ McCartney, mas composta apenas por Paul. Em 2000, ele pediu a Yoko Ono para mudar o crédito para McCartney/ Lennon na coletânea “The Beatles Anthology”, mas ela se recusou.

22 – O filme “A Hard Day’s Night” (1964), primeiro estrelado pelos Beatles, ficou conhecido no Brasil como “Os Reis do iê-iê-iê” e em Portugal ganhou o inacreditável título “Os quatro cabeleiras do após-calypso”.

23 – Paul foi o primeiro a se envolver num projeto fora dos Beatles. Ele compôs para o filme “The Family Way”, em 1966. A trilha sonora acabou lançada num disco de mesmo nome.

Fonte: “THE BEATLES: THE BIOGRAPHY”, DE BOB SPITZ | “PAUL MCCARTNEY: MANY YEARS FROM NOW”, DE BARRY MILES | “FAB: AN INTIMATE LIFE OF PAUL MCCARTNEY”, DE HOWARD SOUNES | “THE COMPLETE BEATLES CHRONICLE:THE DEFINITIVE DAY-BY-DAY GUIDE TO THE BEATLES’ ENTIRE CAREER”, DE MARK LEWINSHON.

Por Marina Sanches – @sancmarina.

BEATLES DIA A DIA

15 de fevereiro de 1988


Lançado em home-video na Inglaterra o filme “The Last Waltz” de 1978, com participação de Ringo. Gravado em 1976 durante o show de despedida do The Band.

Fonte: The Beatles Diary.
Por Marina Sanches – @sancmarina.

BEATLES DIA A DIA

15 de fevereiro de 1965

Começam as gravações do álbum “Help!”. Neste dia, os Beatles gravam “Ticket To Ride” (takes 1-2), “Another Girl” (takes 1-10) e “I Need You” (takes 1-5). A Capitol lança nos EUA o single “Eight Days A Week” / “I Don´t Want To Spoil The Party”. Ainda nesta data, John recebe a confimação de que passou no teste de motorista, visto que, até então, dirigia sem habilitação.

 

Fonte: The Beatles Diary.
Por Marina Sanches – @sancmarina.