Arquivo da tag: Isn’t it a pity

“Isn’t It a Pity”.

 

Canção de George Harrison de seu álbum solo All Things Must Pass – 1970. Ela aparece em duas variações: um bem-conhecido, a versão de sete minutos; o outro uma reprise, intitulado “Isn’t It A Pity (Version Two)”. George escreveu a canção em 1966, mas foi rejeitado para inclusão em lançamentos dos Beatles. Em muitos países ao redor do mundo, a música também foi emitido em um único double lado A com “My Sweet Lord”. no Canadá, “Isn’t It A Pity” alcançou o número 1 como o lado preferido.

Uma balada anthemic e uma das composições mais célebres de George, “Isn’t It a Pity” tem sido descrito como a peça central emocional e musical de All Things Must Pass e “uma reflexão pungente no final dos Beatles”. Co-produzido por Phil Spector, a gravação emprega vários tecladistas, guitarristas ritmo e percussionistas, bem como orquestração por arranjador John Barham. Outros músicos na gravação incluem Ringo Starr, Billy Preston, Gary Wright e a banda Badfinger, enquanto a versão reprise apresenta Eric Clapton na guitarra.

A canção apareceu como a faixa de encerramento na compilação-abrangendo a carreira de George Let It Roll (2009), e uma versão ao vivo, em sua turnê 1991 com Clapton, foi incluído no Live no Japão (1992). Clapton e Preston cantaram juntos no Concerto para George em novembro de 2002. “Isn’t It a Pity” foi regravada por vários artistas, incluindo Nina Simone, Matt Monro, Cowboy Junkies, Paul Young, Elliott Smith, Galaxie 500, Jonathan Wilson e Graham Nash, Tedeschi Trucks band, e Roberta Flack.

 

Por Marina Sanches – @sancmarina.

Fonte: S.S.

“Isn’t It a Pity”.

Canção de George do álbum solo 1970 All Things Must Pass. Ela aparece em duas variações: uma bem conhecido, versão de sete minutos; o outro uma reprise, intitulado ““Isn’t It a Pity” (versão dois)”. George escreveu a canção em 1966, mas foi rejeitada para inclusão em lançamentos para os Beatles. Em muitos países ao redor do mundo, a música também foi emitido em um double A-side single com “My Sweet Lord”. Na América, Billboard revista é listado com “My Sweet Lord” quando o único no topo da Hot 100 chart, enquanto no Canadá, “Isn’t It a Pity” alcançou o número 1 como o lado preferido.

 Uma balada anthemic e uma das composições mais célebres de George, “Isn’t It a Pity” tem sido descrito como a peça central emocional e musical de All Things Must Pass e “uma reflexão pungente no final grosseiro The Beatles ‘”. Co-produzido por Phil Spector, a emprega gravação de teclado, guitarristas ritmo e percussionistas, bem como orquestração por arranjador John Barham. Na sua fadeout estendida, a canção faz referência ao refrão fechamento dos Beatles 1968 hit “Hey Jude”. Outros músicos na gravação incluem Ringo, Billy Preston, Gary Wright e a banda Badfinger, enquanto a versão reprise apresenta Eric Clapton na guitarra.

 

A canção apareceu como a faixa de encerramento, em carreira-medindo compilação de George Let It Roll (2009), e uma versão ao vivo, a partir de 1991 sua turnê com Eric Clapton, foi incluído no Live in Japan (1992). Clapton e Preston apresentaram a canção juntos no Concert for George tributo em novembro de 2002. ““Isn’t It a Pity”” foi regravada por vários artistas, incluindo Nina Simone, Matt Monro, Cowboy Junkies, Paul Young, Elliott Smith, Galaxie 500 , Jonathan Wilson e Graham Nash, Tedeschi Trucks Band, e Roberta Flack.

Por Marina Sanches – @sancmarina.

Fonte: S.S.